quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

"SINERGIA : O CRISTAL DE APATITA E A GLÂNDULA PINEAL"


A glândula que rege o chacra coronário, localizado no alto da cabeça, popularmente chamado de "moleira", é a epífise ou pineal. Seu nome foi herdado pelo formato de pinha e seu tamanho é comparado ao de uma ervilha, mas a função que esta glândula exerce no ser total é grandiosa.

A ação biológica da pineal é a de produzir hormônios para informar ao organismo humano os ciclos da vida - procriação, gravidez, puberdade, velhice, assim como para controlar os ritmos diários de sono e vigília.

Como regente do sétimo chacra, o coronário - considerado um dos mais elevados centros de vibração do corpo sutil, a glândula pineal está associada a uma profunda busca interior, a chamada busca pelo próprio espírito ou Eu Superior e esta é sua função espiritual.
 
Esta pequena glândula possui em sua constituição cristais de apatita e segundo pesquisas estes cristais vibram conforme as ondas eletromagnéticas que captam, o que explicaria a regulação do ciclo menstrual conforme as fases da lua, ou a orientação de uma andorinha em suas migrações. 

No ser humano, ela vai interagir com outras áreas do cérebro como o córtex cerebral, por exemplo, que seria capaz de decodificar essas informações e ninguém pode aumentar ou diminuir essa concentração de cristais, pois é uma característica biológica, assim como a cor da pele ou dos olhos. Já nos outros animais, essa interação seria bastante baixa.

A pineal bem trabalhada e desenvolvida através de meditações, equilibra a polaridade energética entre os hemisférios cerebrais direito e esquerdo, e esta teoria mística pretende explicar fenômenos paranormais como a clarividência, a telepatia e a mediunidade, trazendo contato com outras dimensões, portanto, diz-se que a pineal está diretamente ligada à Consciência Cósmica.

Por sua vez, o cristal de Apatita é usado comumente na terapia com cristais facilitando o clarear dos pensamentos, aliviando a exaustão psíquica, a irritação, o estresse, a hipertensão, trazendo equilíbrio aos dois lados do cérebro- razão e emoção.

 Oferece também novos estímulos à vida cotidiana ajudando na falta de ânimo, aumentando a vivacidade e a criatividade, atraindo a atenção para circunstâncias mais felizes e para um sentido mais positivo da vida. O nome Apatita, em grego, significa "trapaceira, enganadora", porque este cristal existe sob tantas formas e cores que pode facilmente ser confundida com várias outras pedras, mas a cor que vai predominar em seu uso no sexto ou no sétimo chacras (frontal e coronário), é o azul índigo.
 
 
Não é por acaso que ambas, pedra e glândula, estão juntas neste sagrado ofício de acalmar o espírito mostrando caminhos como um farol luminoso para que possamos elevar nossa consciência e alma como seres espirituais em evolução. Se soubermos manter nossos pensamentos, palavras e atitudes equilibrados, não seremos "enganados e trapaceados" pela mente concreta ou emoções descontroladas!


(Fonte : http://caminhodoscristais.blogspot.com.br/)




sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

PESQUISA - "CONFIRMADO : REPOSIÇÃO HORMONAL AUMENTA RISCO DE CÂNCER DE OVÁRIO"


Metade dos estudos epidemiológicos com dados sobre uso de terapia hormonal na menopausa e o risco de câncer de ovário permanecem sem publicação e alguns estudos retrospectivos poderiam ter sido influenciados pela participação seletiva ou recall
O objetivo da meta-análise publicada pelo The Lancet foi avaliar com viés mínimo os efeitos da terapia hormonal sobre o risco de câncer de ovário.
Os conjuntos de dados de participantes individuais de 52 estudos epidemiológicos foram analisados de forma centralizada. A análise principal envolveu os estudos prospectivos (com o uso de terapia hormonal por mais de quatro anos) e as análises de sensibilidade incluíram os estudos retrospectivos.
Durante o seguimento prospectivo, 12.110 mulheres na pós-menopausa, 55% (6.601) das quais tinham usado a terapia hormonal, desenvolveram câncer de ovário.
Entre as mulheres registradas como usuárias atuais, o risco foi aumentado mesmo com menos de cinco anos de uso. 
Este risco foi semelhante em estudos prospectivos europeus e americanos e para o uso tanto de preparações com estrógeno apenas, quanto para aquelas com estrogênio e progesterona, mas diferiu entre os quatro principais tipos de tumores. 
O risco diminuía a medida que o tempo de suspensão dos hormônios aumentava, embora cerca de 10 anos depois de ter parado de usar  ainda havia um excesso de tumores serosos ou endometrioides "
O estudo foi financiado pelo Medical Research Council, Cancer Research UK.

Fonte : http://www.news.med.br/

domingo, 8 de fevereiro de 2015

EPIGENÉTICA - "SUAS DEFESAS VEM DE FORA DE VOCÊ"


Um estudo com gêmeos realizado por cientistas da Universidade de Stanford (EUA) mostrou que o nosso ambiente, e não os genes que herdamos dos nossos pais, é o principal determinante do estado do nosso sistema imunológico, a defesa primária do corpo contra as doenças.
Isto é especialmente verdade à medida que envelhecemos, indica o estudo publicado na revista Cell.
Sonhos genéticos
Os cientistas acreditavam - muitos ainda acreditam - que os genes tinham papel determinante direto sobre a saúde humana, como se fossem chaves liga/desliga, e seu entendimento poderia predizer a saúde futura das pessoas.
 Mas, com algumas exceções notáveis, muito poucas variações genéticas individuais contribuem fortemente para doenças específicas.
Ambiente, não genes, explicam variações imunológicas humanas
Outro estudo recente conclama que devemos esquecer tudo o que pensávamos saber sobre genes e mutações. [Imagem: Art 4 Science]
"A ideia em alguns círculos [científicos e médicos] tem sido que, se você sequenciar o genoma de alguém, você poderá dizer quais doenças essa pessoa terá 50 anos mais tarde", comenta o Dr. Mark Davis, líder do estudo. "Contudo, embora a variação genômica desempenhe claramente um papel em algumas doenças, o sistema imunológico precisa ser extremamente adaptável a fim de lidar com episódios imprevisíveis de infecção, ferimentos e formação de tumores."
"Ao contrário dos ratos de laboratório com genética controlada, as pessoas têm heranças genéticas amplamente divergentes," continua Davis. "E quando você examina o sistema imunológico das pessoas, muitas vezes você encontra enormes diferenças entre elas. Então, nos perguntamos se isso reflete diferenças genéticas subjacentes ou alguma outra coisa.
Gêmeos idênticos e gêmeos fraternos
Para determinar as contribuições relativas da genética e do ambiente - as condições de vida de cada pessoa - Davis e seus colegas usaram um método largamente utilizado para separar influências ambientais das influências hereditárias: eles compararam pares de gêmeos monozigóticos - mais conhecidos como gêmeos idênticos, gerados do mesmo óvulo - com gêmeos dizigóticos - ou gêmeos fraternos, gerados ao mesmo tempo mas de dois óvulos.
Os gêmeos idênticos herdam o mesmo genoma, à exceção de alguns erros de cópia inevitáveis quando as células se dividem. Já os gêmeos fraternos não são mais parecidos geneticamente do que irmãos regulares, partilhando em média 50% dos seus genes.
Ambiente, não genes, explicam variações imunológicas humanas
Mesmo células geneticamente idênticas comportam-se de forma diferente no organismo. [Imagem: Andrew B. Stergachis et al./Science]
Como os dois tipos de gêmeos compartilham o mesmo ambiente no útero e geralmente compartilham o mesmo ambiente na infância, eles são excelentes para contrastar a hereditariedade genética em relação à influência ambiental.
A equipe então aplicou os melhores métodos laboratoriais de análise disponíveis nas amostras de sangue dos voluntários para medir mais de 200 componentes e atividades do sistema imunológico.
Genética e sistema imunológico
"Mas o que descobrimos foi que, na maioria dos casos, incluindo a reação a uma vacina padrão contra a gripe e outros tipos de resposta imunológica, há pouca ou nenhuma influência genética operando e, provavelmente, o meio ambiente e sua exposição a inúmeros micróbios é o fator principal."
"Influências não herdadas, particularmente micróbios, parecem desempenhar um papel gigantesco na variação imunológica," disse Davis. "Pelo menos para os primeiros 20 e poucos anos de sua vida, quando seu sistema imunológico está amadurecendo, este sistema incrível parece ser capaz de se adaptar a condições ambientais largamente diferentes.
"Um sistema imunológico humano saudável se adapta continuamente para seus encontros com agentes patogênicos hostis, bactérias amigáveis, componentes nutricionais e muito mais, ofuscando as influências da maioria dos fatores hereditários," concluiu o cientista.

FONTE : www.diariodasaude.com.b